A EDUCAÇÃO DE CHARLIE BANKS


Caro leitor, caso você tenha algum sentimento ruim por Fred Durst, vocalista do grupo Limp Bizkit, é necessário voltar ao zero para assistir a estréia do cantor como diretor de cinema em The Education of Charlie Banks. Durst dirigia os vídeos de sua banda e os marcava pela ousadia técnica e a fuga dos clichês. E em seu primeiro filme a história se repete.

Durst retrata com fidelidade a atmosfera de Nova Iorque durante os anos setenta, época que o inteligente Charlie Banks testemunha um brutal espancamento durante uma festa, por Mitch, um garoto de sua vizinhança, que se interessava em caçar garotas e bater em garotos. Com as imagens presas à sua mente, ele decide ir até a polícia e contar o caso.

Em devidas proporções, é algo que muitos adolescentes encaram; que é o convívio com uma espécie de trauma intenso e que pode aparecer quando você menos espera. O relacionamento de Banks e Mitch, que se reencontram anos depois, quando ambos já estão na faculdade é com uma bomba relógio, apenas esperando para jogar tudo pro alto. E é ai que a mão do diretor pesa, acompanhado de um elenco bem preparado.

O desespero de Banks é conduzido de uma forma que o espectador entre de fato nesse suspense, não com uma simples ansiedade de que tudo se resolva no clímax e uma fácil resolução e sim por um envolvimento completo na trama. Jesse Einsenberg se mostra um digníssimo ator, pois a naturalidade parece passar dos poros da face do ator.

Enquanto nós, espectadores, esperamos por tal explosão, acabamos ganhando uma história de reconstrução e renovação de vida. Com a mente conturbada, Banks parece preso a um pré-julgamento e sem forças para uma nova chance. É uma história sobre uma fase de transição, onde a brutalidade dos fatos moldam o caráter do personagem principal.

É lógico que como todo diretor estreante, Durst quer mostrar para o que veio – Ele aposta em movimentos de câmera, elipses, trilha sonora classuda, planos bem estudados e se dá bem. Consegue a naturalidade necessária para um bom andamento.

A história de Charlie Banks foi feita para ser desconstruída como o próprio personagem sugere durante o filme. É uma história sobre crescer; Sobre um período conturbado, sobre a submissão, misericórdia e a falta de limites que os jovens só aprendem mesmo na prática. A descoberta sexual e o uso de drogas estão lá também, mas não foram feitas para causar alarde, são meros coadjuvantes, pois o que está fora dos personagens não importa muito para Durst e sim, o que está prestes a explodir dentro deles. Durst mostra um futuro promissor atrás das câmeras. E não espere alguma música do Limp Bizkit...

★★★★

A Educação de Charlie Banks (The Education of Charlie Banks, EUA, 2008) de Fred Durst 

Comentários

  1. OláInteressante. É legal ver novos diretores surgindo, são idéias novas no pedaço : )até mais…

    ResponderExcluir
  2. Eu ODEIO Fred Durst. Sujeitinho que se acha. Mesmo com seu bom texto, vou ficar é longe desse filme…

    ResponderExcluir
  3. ADOREI! *_____*aaaaaa…cara nova intão?! ficou lindo o novo layout :) beijo :*

    ResponderExcluir
  4. gostei, mas deve ser bem difícil de achar :/

    ResponderExcluir
  5. eu ia querer ver anyway, gosto de pessoas novas no cinema, os que n são besteirol é claro, dão uma avivada nas coisas, mas gostei mt do texto tb, criou uma expectativa boa!

    ResponderExcluir
  6. Bem, esse você mesmo me passou! rsrsAinda vou assistir. Gostei muito do layout novo. Mas essa coluna de notícias é você quem controla?o/

    ResponderExcluir
  7. Eu ODEIO Fred Durst. Sujeitinho que se acha. Mesmo com seu bom texto, vou ficar é longe desse filme…

    ResponderExcluir
  8. Arthur Guilherme19 de maio de 2013 15:55

    Acabei de assistir a esse filme, nem sabia da existencia dele, e que muito menos fora dirigido por Fred Durst, e devo dizer que achei um filme muito bom, recomendo…

    Meio tarde para um comentario… Mas muito bom o filme.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas