BUDAPESTE


Quando se trata de adaptações de livros, raramente algum filme consegue chegar perto da qualidade da obra literária, não só pela riqueza de detalhes que o livro trás, mas também pela questão da interpretação do diretor e a forma de se construir tais idéias em imagens.

Em Budapeste, Walter Carvalho - mais conhecido como diretor de fotografia de filmes como Carandiru, Central do Brasil e outros filmes bem sucedidos por aqui – mostra claros problemas para conduzir o que Chico Buarque colocou através das palavras e o exercício de metalinguagem.
Partindo do conceito que é uma história narrada em primeira pessoa, mas aparentemente conduzida por alguém que não existe, já que o personagem de José Costa, interpretado por Leonardo Medeiros é um escritor fantasma (escritor que dá a autoria de sua obra encomendada a quem o paga), o filme tenta parecer como uma viagem introspectiva da crise de um homem, sobre reconhecer e ser reconhecido.

A verdade é que o filme oscila bastante nas propostas e nesta confusão, ele por vezes parece bem artificial e moldado até demais. Existe uma proximidade maior com o cinema argentino ou europeu pela linguagem cinematográfica e narrativa, mas é uma escolha ordinária, caindo na previsibilidade diversas vezes, apesar de alguns acertos aqui ou ali.
Por mais que o projeto pareça ousado, o que falta no filme é ousadia. Em seu último ato, o filme coloca em prática a metalinguagem e parece funcionar melhor, mas não consegue tirar o peso colocado por todo o resto completamente.

Faltou ao filme uma clareza maior para guiar o espectador sobre o que é o texto e o que é a realidade do personagem. Pois, o espectador pode seguir um fio condutor e parar em algum ponto, confuso e em seu último plano, achar que se trata de uma piada. Talvez com um pouco mais de ousadia e clareza entre o texto, o filme teria funcionado de uma forma mais eficaz.

★★
Budapeste (Budapest, Brasil/Hungria/Portugal, 2009) de Walter Carvalho

Comentários

  1. Eu quero ver mais pelo Leonardo Medeiros do q pela história, acho ele um puta ator, que sinceramente acho que do porte dele é mt dificil de achar no elenco nacional.

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga entrevistou ontem: Leandro Medeiros, Walter Carvalho e Fernando Meirelles.Quero ver o filme ainda.=]

    ResponderExcluir
  3. Eu não estou com boas expectativas para esse filme, tenho curiosidade de assistir por que nunca tive nenhum contato com a obra literária de Chico Buarque e por que gosto do trabalho do Leonardo Medeiros.

    ResponderExcluir
  4. Normalmente eu gosto de adaptações de livros – apesar de não ser a mesma coisa .Gostei da sugestão :) :*

    ResponderExcluir
  5. A impressão blazê sobre o filme parece ser geral.Continuo não gostando dessa discussão se o livro ou o filme é melhor, mas realmente faltou ousadia para impôr um dinamismo maior à história nas telas. No livro, esse dinamismo não se fez necessário, mas a experiência no cinema pede isso, senão fica um programa muito insosso. E foi o que aconteceu com essa superprodução.E achei o Leonardo Medeiros muito bem, ainda mais levando-se em conta de que ele teve que "decorar" todas as falas em húngaro, sem saber falar a língua. Se virou muito bem.

    ResponderExcluir
  6. Realmente ninguém falou muito bem desse filme, parece que essa versão para o cinema foi totalmente equivocada. Pena que o Walter Carvalho não conseguiu fazer um bom trabalho nesse filme…

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas