Olhos Grandes (Tim Burton, 2014)


Olhos Grandes pode parecer um filme simples de Tim Burton justamente por anular o lado fantástico e sombrio da trama - o que naturalmente se espera dele -, porém o filme é o mais pertinente do diretor nos últimos anos. Trata-se de um filme acessível, até farsesco, sobre questões muito específicas sobre quem vive, lida ou consome arte. Afinal, quem é o grande artista? Quem faz ou quem vende? Quando Tim Burton aborda o peso moral e ético sobre o comércio de obras de arte, Olhos Grandes se transforma, acima de tudo, em um filme extremamente corajoso por usar a contramão de suas questões principais. A composição do filme se faz em tom fabuloso, da trilha à fotografia, enquanto o discurso se mantém enraizado no pessimismo sem nunca explicitar o contraponto à fórmula. 

Comentários

  1. Compreendi a intenção de Tim Burton em conferir um tom farsesco à narrativa, mas não me parece que a história real (que é extraordinária de tão absurda) faz muito bem ao filme como um todo. Gosto muito do cineasta, mas acredito que "Olhos Grandes" seria melhor nas mãos de outro realizador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compreendo tua noção, Alex. Mas acho que é um bom momento para reverter todo "absurdo" das histórias contadas, deixando este apenas para os personagens - como Foxcatcher, por exemplo. Olhos Grandes é mais acessível e mais cínico, na minha opinião.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas