ROMANCE


O espetáculo que é o amor. Tragédia, comédia, seja lá o que for, é uma necessidade para cada ser humano. E assim, Guel Arraes utiliza o romance de Tristão e Isolda como referência e guia de seu longa Romance estrelado por Wagner Moura e Letícia Sabatella.

Na inconstante e instável dicotomia de gêneros e colocando as artes em um patamar de igualdade (leia-se TV, teatro e cinema) o filme não se insere explicitamente em nenhum deles na verdade. Se ele vive no núcleo mais descontraído – e ousado por criticar métodos televisivos, com a ajuda de Jorge Furtado - liderado pela ótima Andrea Beltrão, Wladimir Brichta e reforçado por Marco Nanini ou se apóia no drama guiado pela peça de teatro em que Pedro (Wagner Moura, excelente) e Ana (Letícia Sabatella, forçada até quando finge interpretar) produzem para o estopim de uma relação cheia de inseguranças e uma paixão desenfreada que fica por trás das cortinas do teatro.

E pelo sucesso de Ana, que vira uma celebridade graças a TV e a escolha mais radical de Pedro, que os dois se separam e colocam a questão do amor em cheque. O sofrimento, a felicidade, o tédio. Tudo é colocado em pauta, de uma forma peculiar e inteligente, que foge do convencional, mas consegue inserir todos os clichês possíveis de um romance, sem apelos.

Por outro lado, a veia cômica parece ser avulsa e consegue levar o filme a um patamar completamente inesperado, com as já citadas críticas que na verdade não convencem, mas como piadas servem muito bem entre diálogos rápidos e impactantes, essa quebra de narrativa do filme não fica bem clara.

Arraes tenta fugir do convencional e consegue, mas não justifica bem o seu objetivo, se por ousadia, crítica a métodos prontos ou se é, apenas, um conto de amor, com a clássica "pitada brasileira".

 
Romance (Idem, Brasil 2008) de Guel Arraes

Comentários

  1. Olá Pedro! Tenho por regra passar longe de certos cineastas brasileiros por já ter perdido as esperanças de vê-los se renovar Um deles é Guel Arraes. Mas se tem umas cenas picantes, até que dá pra encarar, hehehe… abs.

    ResponderExcluir
  2. Ah eu gosto do estilo do Guel Arraes.. mas esse filme achei meio idiot. =( Acho que Guel Arraes acerta quando escolhe as temáticas regionalistas. Fora isso, não gosto. Daria 3 estrelas pra 'Romance' tb

    ResponderExcluir
  3. Todo mundo fala bem desse filme e, mesmo tenho muita curiosidade para vê-lo, ainda não encontrei por aqui. Quem sabe em breve…

    ResponderExcluir
  4. Anderson Siqueira22 de maio de 2013 17:48

    "Romance" é uma bela surpresa do cinema canarinho e sai daquela mesmice dos filmes brasileiros atuais, que se limitam ao sexo, drogas e violência.SORO: atuações acima da média, locações satisfatórias, montagem benéfica, trilha sonora em sintonia com as cenas, diálogos belíssimos.VENENO: erros de continuidade, roteiro perde qualidade ao final da estória.NOTA (0 a 5): 3,5***

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas