CHÉRI

 

Baseado no romance da escritora francesa Colette, Chéri trás o diretor Stephen Frears com mãos leves e com uma sobriedade descomunal para registrar uma visão tragicômica sobre um amor impossível. Seja lá qual tenha sido a intenção de Frears, o que o diretor conseguiu foi se afastar de uma linguagem batida dentro de um gênero.

Aos olhos de qualquer um, o romance entre uma ex-prostituta que vive de fortunas deixadas pelos seus falecidos amantes e um jovem mulherengo era impossível. Guiado por uma narração bem humorada, os boicotes ao casal parecem conseqüências ordinárias de um tempo onde a posição social valeria mais que a própria felicidade.

Seja pela própria mãe de Chéri ou de seus vizinhos, a constante dúvida que o casal levava mesmo com seis anos de relação vem à tona com tal pressão, colocando valores em cheque e dando à Frears a abertura necessária para explorar uma linguagem peculiar, focado no humor, com diálogos que apostam no descaso ou no deboche. Esse é o grande trunfo do filme, que faz a via contrária do que estamos acostumados a ver. O diretor questiona as motivações do casal para cultivar o romance estruturando seu filme entre a tragédia e o total escracho.

Se a postura do casal é de manter um jogo de sedução ou uma aula de amor, não importa para Frears que alimenta uma posição fria em relação à eternidade de um casamento. Com uma direção de arte deslumbrante e boas atuações, inclusive Michelle Pfeiffer que parece voltar à forma, Chéri é um delicioso conto sobre o desespero de quem ama, mas não tem base e muito menos maturidade para conviver com as responsabilidades que o amor exige.

Chéri(Idem, Inglaterra/França/Alemanha, 2009) de Stephen Frears

Comentários

  1. Aqui em Portugal, Chéri já estreou há uns meses atrás. Gosto bastante da realização de Stephen Frears, mas a verdade é que Chéri poderia ser muito mais completo do que é na realidade. A dada altura, sentimos um vazio muito grande e até algum tédio. Não deixa, porém, de ser um bom filme. 3,5*

    ResponderExcluir
  2. É um filme que aguardo há tempos desde a notícia em que alertava sobre a volta de Michelle Pfeiffer. Pelo visto, Stephen Frears deve mesmo muito bem, quero mesmo ver!

    ResponderExcluir
  3. Poucas opiniões sobre o filme estão surgindo, e a sua realmente me deixou curioso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas