42º Festival de Gramado / 5º Festival de Paulínia

Saiu a seleção da 42ª edição do Festival de Gramado. Dos longas-metragens chamam atenção o retorno de Juliana Rojas à direção, o debut de Caco Ciocler e Domingos de Oliveira saindo da zona de conforto dirigindo um épico. Dos estrangeiros, alguns deles já foram comprados e farão pré-estreia no festival como é o caso dO Crítico e Alguns Dias Sem Música.

Longas-metragens brasileiros

A Despedida, de Marcelo Galvão (SP)
A Estrada 47, de Vicente Ferraz (RJ)
A Luneta do Tempo, de Alceu Valença (RJ)
Esse Viver Ninguém Me Tira, de Caco Ciocler (DF)
Infância, de Domingos Oliveira (RJ)
O Segredo dos Diamantes, de Helvécio Ratton (MG)
Os Senhores da Guerra, de Tabajara Ruas (RS)
Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas (SP)

Longas-metragens estrangeiros

Algunos Dias Sin Musica, de Matías Rojo (Argentina/Brasil)
El Critico, de Hernán Guerschuny (Argentina)
El Lugar Del Hijo, de Manuel Nieto (Uruguai)
Esclavo de Dios, de Joel Novoa (Venezuela)
Las Analfabetas, de Moisés Sepúlveda (Chile)


Curtas-metragens

A Pequena Vendedora de Fósforos, de Kyoko Yamashita (RS)
Brasil, de Aly Muritiba (PR)
Carranca, de Wallace Nogueira e Marcelo Matos de Oliveira (BA)
Carta a Uma Jovem Cineasta, de Luiz Rosemberg Filho (SC)
Castillo y el Armado, de Pedro Harres (RS)
Las Analfabetas, de Eugênio Puppo e Ricardo Carioba (SP)
Contínuo, de Carlos Ebert e Odécio Antonio (PB)
História Natural, de Júlio Cavani (PE)
La Llamada, de Gustavo Vinagre (SP)
Max Uber, de Andre Amparo (MG)
O Clube, de Allan Ribeiro (RJ)
O Coração do Príncipe, de Caio Ryuichi Yossimi (SP)
O Que Fica, de Daniella Saba (SP)
Se Essa Lua Fosse Minha, de Larissa Lewandowski (RS)
Sem Título #1: Dance of Leitfossil, de Carlos Adriano (SP)

Curtas-metragens

A Pequena Vendedora de Fósforos, de Kyoko Yamashita (Porto Alegre)
Bacon ou Rúcula, de Laércio Leitzke (Porto Alegre)
Caçador, de Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques (Canoas)
Casa de Pompas, de Bruna Fortes e Gabriel Paixão (Pelotas)
Castillo y el Armado, de Pedro Harres (Porto Alegre)
Descompasso, de Rodolfo de Castilhos Franco (Porto Alegre)
Domingo de Marta, de Gabriela Bervian (Porto Alegre)
Espelhos, de Diego Tafarel (Santa Cruz do Sul)
Gildíssima, de Alexandre Derlam (Porto Alegre)
Hotel Farrapos, de Lisandro Santos (Porto Alegre)
Linda, Uma História Horrível, Bruno Gularte Barreto (Porto Alegre)
O Encontro, de Fabrício Silva (Porto Alegre)
O que Ficou Para Trás, de Pedro Guindani (Porto Alegre)
O Relâmpago e a Febre, de Gilson Vargas (Porto Alegre)
Os Meninos Perdidos, de Giordano Gio (Porto Alegre)
Servido Com Candura, de Tatiane Andréa Enzweiler (São Leopoldo)
Sioma – O Papel da Fotografia, de Karine Emerich e Eneida Serrano (Porto Alegre)

E Paulínia volta ao calendário de festivais e divulga no mesmo dia sua seleção. Aprendi a Jogar com Você do Murilo Salles foi exibido na Semana dos Realizadores e é um belíssimo filme. Castanha, em Berlim. Sangue Azul do Lírio Ferreira e Boa Sorte da Carolina Jabor também chamam atenção.

Longas-metragens

A Neblina, de Fernanda Machado (Doc, SP);
Aprendi a Jogar com Você, de Murilo Salles (Doc, RJ);
Boa Sorte, de Carolina Jabor (Ficção, RJ);
Casa Grande, de Fellipe Barbosa (Ficção, RJ);
Cássia, de Paulo H. Fontenelle (Doc, RJ);
Castanha, de David Pretto (Ficção, RS);
Infância, de Domingos Oliveira (Ficção, RJ);
Sangue Azul, de Lírio Ferreira (Ficção, PE);
Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas (Ficção, SP);


Curtas-metragens

De Bom Tamanho, de Alex Vidigal
Edifício Tatuapé Mahal, de Carolina Markowicz e Fernanda Salloum
Jessy, de Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge
190, de Germano Pereira
O Clube, de Allan Ribeiro
O Bom Comportamento, de Eva Randolph
O Menino Que Sabia Voar, de Douglas Alves Ferreira
Recordação, de Marcelo Galvão

Comentários

  1. Pelo que acompanhei por aí, os filmes nacionais apresentados deixaram muito a desejar, o que me faz ficar muito preocupado com a qualidade da próxima leva de títulos a serem exibidos no circuito comercial. Estou curioso pelo trabalho de composição de Deborah Secco em "Boa Sorte" e o filme que me desperta a maior atenção é "Sinfonia da Necrópole".

    ResponderExcluir
  2. A seleção de Paulínia me parece mais interessante e o filme do Cavalcante que foi tão falado por anos e finalmente viu a luz do dia, entrando na seleção aos 50 do segundo tempo levou quase tudo. Curioso por este.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas