Mad Max - Estrada da Fúria (George Miller, 2015)




A única coisa que é possível dizer logo após a sessão de Mad Max é que George Miller sabe muito bem como orquestrar o ápice de duas horas que é o filme. São poucos respiros, mas com norte suficiente para o desenho de conflitos, em especial os de Furiosa e de Max. A brincadeira dos sonhos dos meninos (uma aventura sem fim) é tomada pelas meninas e se torna menos fetichista pois a partir daí há uma breve sugestão de que Mad Max se tornaria um filme de narradores e não de corpos (e máquinas) em movimento. Mad Max é um filme fantasioso por motivos óbvios, mas seu feitio é como se Miller fosse um  mero espectador - com todos as instrumentos de registro possíveis - deste caos. Ah, a primeira perseguição na tempestade de poeira é de um primor absurdo.

Comentários

Postagens mais visitadas