ALÉM DA VIDA


À procura de quadros semelhantes às pinturas, como fazia o diretor italiano Michelangelo Antonioni, Além da Vida encoraja-se para tratar de um assunto delicado – a desconstrução da fé além dogmas - sem dilacerar a dicotomia do roteiro escrito por Peter Morgan (Maldito Futebol Clube), que tende em momentos chave da trama a cair em pieguices baratas. Comum, afinal trata-se de um tema onde a naturalidade pode ser confundida com pretensão.

Eastwood cria núcleos com personagens que tiveram relações distintas com o que chamamos “quase morte” e, sob diferentes perspectivas, a imersão melodramática e desconstrutiva do sobrenatural como epítome de uma trilogia. A experiência do diretor está na ousadia, explícita na incrível sequência de abertura do filme, no aspecto artesanal de ilustrar o contato com o “além” e a segura e contida direção, sem afetações visuais ou inserção de reviravoltas surpreendentes.

Além da Vida aborda o ceticismo que se apresenta como hostilidade pelo poder de grandes empresas, sem esquecer de que a fé é uma boa fonte de renda e que também pode destruir relações. Ignorando o subtexto por completo, encara-se a decisão de Eastwood como ousada, que se atenta à mensagem direta ao público, delimitando seu filme à definição.



Além da Vida (Hereafter, EUA/Reino Unido, 2010) de Clint Eastwood

Comentários

  1. Tenho este livro na minha estante he1 mais de um ano e ne3o tinha lido.Assisti ao filme e me seinrestei…Ne3o acho que exista uma idade certa para a mulher amadurecer, e discordo de que a personagem agiu como imatura tentando se descobrir depois dos trinta.Nf3s mulheres nos questionamos muito a respeito das nossas escolhas, pois crescemos lendo os contos de fadas e esperando o nosso predncipe, e9 cultural.As vezes passamos da fase adolescente ate9 a adulta entrando e saindo de relacionamentos.Na fase adulta depois de um rompimento doloroso, e9 muito difedcil se reencontrar e se adaptar a nova vida.Que bom que a autora do livro tinha capital o suficiente, para poder tirar um tempo para se dedicar sf3 a ela e enfim poder arrumar a casa para u novo amor!!! Sou mulher, passei por ve1rias fases amorosas, me deprimi, me renovei, amei de novo…Enfim, gostei do filme e recomendaria sim…

    ResponderExcluir
  2. Sabe aquela parte onde Melanie questiona pro George quem é aquele? O jeito que a camera foi posicionada com ela olhando para algo de fora, pra mim foi mto "pegadinha do malandro"do Eastwood. Acho que mtos esperavam ver assombrações passando pelo filme, sem saber ao certo como Eastwood iria abordar o tema.

    Eba eba eba! Valeu por adicionar o Le Matinée! no Blogroll! =]

    ResponderExcluir
  3. Pedro… cinemaorama.com nos links do intratecal!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Sou fã de Eastwood e sempre irei assistir seus filmes, mas confesso que não estou empolgada para conferir Hereafter.

    ResponderExcluir
  5. Curioso demais por esse, mas igualmente apreensivo diante das críticas árduas que vem recebendo. O tema em si já é um divisor de águas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas