TRIÂNGULO AMOROSO


O amor como antagonista em Triângulo Amoroso esfria as motivações castradas pela saturação do tema e colocam o filme de Tom Tykwer (Corra, Lola, Corra) na invariável pauta existencialista. Seus protagonistas vivem silenciosamente as frustrações de uma relação fria que desenvolve carências e pessimismo em relação ao futuro.

Com referências a Uma Mulher para Dois de François Truffaut a sua própria filmografia, Tykwer mostra que o processo é natural: encontrar o oposto, completar um ciclo, mesmo que para isso tenhamos que correr riscos. O que está no gene nos matará de alguma forma.

Tykwer faz questão de transformar o âmago de sua história em cartada estilística, o que após alguns filmes faz a característica se tornar obviedade. A falta de sobriedade distancia os personagens mais que o permitido. O prazer carnal cria conflitos flutuantes, que cercam o cerne da história, mas nunca encontram o real – representado pela figura de Adam, um homem que não sabe o que quer da vida, fora se relacionar com o maior número de pessoas que puder. E Triângulo Amoroso pode ser sintetizado pela quase ditatorial e fetichista estética de Tykwer com a falsa idéia de bem-estar que o casal Simon e Hanna vive: da frivolidade à profundidade que as obrigações matrimoniais e até mesmo fraternais exigem, por um choque, colocam livre arbítrio e destino em harmonia.

★★★
Triângulo Amoroso (3, Alemanha, 2010) de Tom Tykwer

Comentários

  1. Eu geralmente não comentar em blogs, mas seu artigo me obrigaram a, incrível trabalho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas