MILLENIUM - OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES


Terrenos já explorados por David Fincher em Seven – Os Sete Pecados Capitais e Zodíaco, a apuração de um caso policial e os valores éticos na execução do mal servem de suporte para a adaptação hollywoodiana de Os Homens que Não Amavam as Mulheres, livro homônimo de Stieg Larsson, também adaptado para o cinema por Niels Arden Oplev em 2009.

Ao contrário do filme de Oplev, disperso e distante dos protagonistas que resulta num filme frio e igualmente pungente, Fincher, já na apoteótica abertura intenciona um longa condensado pela estética sombria e a aproximação de personagens complexos para inseri-los em alegorias do gênero. Eles se transformam em adaptações do tradicionalismo de filmes de suspense americanos. Mikael Blomkvist (Daniel Craig) e Lisbeth Salander (Rooney Mara) aos poucos se transformam em articulações da história num ping-pong cansativo de sequências até o encontro dos dois, ainda no início do filme.

A partir deste encontro, Os Homens que Não Amavam as Mulheres segue a cartilha autoral de Fincher, endereçada à aura através de códigos já domesticados pelo publico, independentemente de seu perfil. A escuridão e o frio servem como um personagem a mais para a história, lembrando intensamente que a condição dos protagonistas é suficientemente complexa, automaticamente eliminando qualquer possibilidade de um estudo maior deles – ainda que subjetivo - durante a investigação.

A redenção em caminhos concomitantes para Blomkvist e Lisbeth é o guia da narrativa trivial que falha em construir uma teia conspiratória a partir da culpa que os protagonistas carregam. Contemporâneo, sim. Saturado, também.

★★★
Millenium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres (The Girl With the Dragon Tattoo, EUA/Suécia/Reino Unido/Alemanha, 2011) de David Fincher

Comentários

  1. Taí um filme que não me deu pique pra ver. Mesma coisa do remake de Deixe Ela Entrar… não é por ser ruim, mas parece ser exatamente como o original e aquele ainda está bem fresco na memória. É isso mesmo?

    ResponderExcluir
  2. Achei melhor que o Sueco também…Mara é ajudada pela alta qualidade do diretor e do filme e no final terminou sendo um otimo trabalho

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante do sueco, não vi esse, e não me cheira bem. haha

    ResponderExcluir
  4. retardado!!! se acha muito homem é? clooka uma foto sua como capa do blog …ai veremos se vc eh todo esse machao q vc fala… kkkksoh dando risada de uma anomalia dessas…!!!_|_

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei do filme, mas acho que poderia ter terminado melhor.
    O final desvalorizou muito o papel da Rooney Mara, o 'romance frustrado'. Não li o livro e não assisti ainda a versão sueca, então não consigo comparar para saber qual é melhor.
    Mas tirando o final achei o filme bacana, interessante e envolvente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas