A GUERRA ESTÁ DECLARADA


No primeiro ato de A Guerra Está Declarada é possível ouvir o choro do pequeno Adam cobrindo diversos diálogos que no fim buscam respostas para a agonia do garoto. Apenas um traço autobiográfico do filme de Valérie Donzelli, que ao passar para as telas a luta pela cura do câncer de seu filho cria outro embate: contra o melodrama.

A tal “guerra” do título é contra contratempos que o tratamento impõe como a incerteza do futuro, as regras dos hospitais e o mundo que Romeo (Jérémie Elkaim) e Juliette (a própria Valérie) tiveram que abandonar para o bem de seu filho. A força sensitiva dos pais contra a medicina – que ganha criativas alusões ao papel de Deus dentro do sistema de saúde francês – dá à Valérie possibilidades para a fuga da obviedade que o tema traz.

Flertes agudos com diversos gêneros criam artifícios desconexos e a sensação de desorientação, com pouquíssimos acertos, como a brincadeira com o suspense, utilizando um plano aberto estático e silencioso como representação do estado de espírito do casal. Porém, outras apostas como sequências musicais e o uso de elementos extra-tela para ilustrar o desespero dos protagonistas são gratuitos.

Espírito este que Valérie tenta imprimir a todo custo compondo um mosaico de reações à doença de Adam. A resposta está na narração em terceira pessoa que nos situa de forma rasa ao drama da família.

★★

A Guerra Está Declarada (La Guerre Est Déclarée, França, 2011) de Valérie Donzelli

Comentários

Postagens mais visitadas