Cinema/Punk - Parte 1

Dizem que o punk nasceu em 1976 com o lançamento do primeiro álbum dos Ramones. Mas a verdade é que quando Legs McNeil e John Holmstrom fundaram o zine "Punk" em 1975 em um porão de Connecticut a rebeldia e a música que eliminava solos de guitarra e negava qualquer postura vendável já estavam lá com MC5 e os Stooges, para citar alguns nomes. Formado por boa parte de nerds fãs de quadrinhos ou leitores assíduos de autores que outrora batizaram a contracultura, o punk tinha mais fundamento em suas músicas curtas e diretas como um soco na cara. Elas amplificavam questões filosóficas adolescentes que de acordo com o sistema deveriam ser esquecidas em troca da vida adulta, onde vive-se para trabalhar e obedecer. Questionar, neste caso, é resistir. E o cinema tem parte desse caos muito mais organizado que muitos pensam. Diretores ao longo do tempo tomaram a identidade para si e a diluiram em narrativas e manifestos audiovisuais. São os casos de Nick Zedd, F.J Ossang, Alex Cox, Sogo Ishii, Penelope Spheeris, Amos Poe, Julien Temple, Bruce McDonald e Lech Kowalski, para citar alguns. E outros serviram de inspiração para os músicos ou para a postura (in)diretamente ligada à insatisfação.

Eis o início de uma lista (divida em 4 partes) com filmes que retratam o punk em diversas formas. Seja na música, no comportamento ou em sua essência abstrata.

 01. Burst City (Sogo Ishii, 1982)
Em um cenário pós-apocalíptico, rebeliões, shows de punk rock, brutalidade policial e brigas de gangue se misturam à lisergia de neon  japonesa.

02. They Eat Scum (Nick Zedd, 1979)
O maior "foda-se" cinematográfico da história.

03. The Boot Factory (Lech Kowalski, 2006)
Punks poloneses sobrevivem produzindo e vendendo coturnos. E de pensar que eles começaram a usá-los por conta dos carrapatos...

 04. Suburbia (Penelope Spheeris, 1984)
A terra da oportunidade nos últimos anos de Guerra Fria. Depressão e caos.

05. The Great Rock 'N' Roll Swindle (Julien Temple, 1980)
Não surpreende que o primeiro tour de force envolvendo punks venha dos Sex Pistols. E provavelmente é a melhor definição do rolo compressor que foi o grupo. 

06. Hey! Is Dee Dee Home? (Lech Kowalski, 2002)
O mais maluco dos Ramones encara a câmera de Kowalski e livremente conta sobre sua vida. Os tempos na Alemanha, drogas, prostituiçao e claro, os Ramones.

 07. Rude Boy (Jack Hazan, David Mingay, 1980)
Derrubando mitos através da rotina de um roadie do The Clash. 

 08. Hardcore Logo (Bruce McDonald, 1996)
Se o filme anterior desmistificava, este mockumentary execra com a imagem ameaçadora dos punks para a sociedade conservadora. A versão punk de Spinal Tap.

09. Hardcore Logo II (Bruce McDonald, 2010)
E se era impossível justificar uma continuação, McDonald usa a liberdade do cinema para mostrar os ecos do punk na contemporaneidade. 

10. Made In Britain (Alan Clarke, 1982)
A rotina de um skinhead white power que destina seu tempo ao confronto com autoridades. Para ele esta é a única forma de representação da classe trabalhadora em uma sociedade opressora.

11. Instrument (Jem Cohen, 1999)
Como qualquer coisa que tenha as mãos de Jem Cohen, o encontro do cineasta com uma das mais importantes bandas do post-hardcore (Fugazi) resulta em um dos mais belos documentos da década de 90.

12. Ex-Drummer (Koen Mortier, 2007)
Excluídos. E sem futuro.

13. Magnicídio (Derek Jarman, 1978)
Pessimismo, arte e revolução em um futuro pós-apocalíptico. 

14. Crass - There is No Authority But Yourself (Alexander Oey, 2006)
Essência. 
15. Repo Man - A Onda Punk (Alex Cox, 1984)
O apocalipse, novamente. Pessimismo envolvido por Black Flag, Fear e Circle Jerks.

16. Another State of Mind (Adam Small e Peter Stuart, 1984)
Na estrada com Minor Threat, Social Distortion e Youth Brigade. O suficiente para saber que existem divergências sobre o que se trata o movimento punk.

17. A Classe de 1984 (Mark L. Lester, 1982)
Nada como profetizar a cultura do medo. 

18. Shelter (Dragomir Sholev, 2010)
Punk e utopia.

19. Rock 'N'Roll High School (Allan Arkush, 1979)
R-A-M-O-N-E-S.

20. Ladies and Gentlemen, the Fabulous  Stains (Lou Adler, 1982)
Lutar para se expressar, ter domínio sobre o trabalho e fazer/dizer o que pensa. Uma banda de garotas punk. 

21. Wild Zero (Tetsuro Takeuchi, 1999)
Os garage punks japoneses do Guitar Wolf usam o rock 'n' roll como salvação em um mundo, claro, pós-apocalíptico recheado de zumbis. 

22. Fish Story (Yoshihiro Nakamura, 2009)
O punk pode salvar a sua vida. Ou colocá-la no lugar certo.

23. Breaking Glass (Brian Gibson, 1980)
Johnny Rotten dizia "Use o sistema quando lhe convém". Bingo.

24Laranja Mecânica (Stanley Kubrick, 1971)
Ou destrua-o. Das vítimas aos responsáveis. Antes que ele te destrua.


25. Dorfpunks (Lars Jessen, 2009)
Inconformismo atemporal.

26. This is England (Shane Meadows, 2006)
O melhor panorama da cultura skinhead nos anos 80. 


27. Story of a Junkie (Lech Kowalski, 1987)
Tanto faz ser punk, MOD ou clubber se todos estão imersos nas drogas.

28. The Taqwacores (Eyad Zahra, 2010)
O cotidiano de punks muçulmanos nos EUA.

 29. Class of Nuke'em High (Lloyd Kaufman, 1986)
O epítome do jovem rebelde comandado pelo mais punk dos diretores: Lloyd Kaufman.

30. Romper Stomper (Geoffrey Wright, 1992)
 Mas que diabos é pureza racial? 

31. Roadkill (Bruce McDonald, 1989)
Ramona atravessa o Canadá com um taxista maluco com a intenção de salvar uma banda falida.

32. O Assassino da Furadeira (Abel Ferrara, 1979)
 Dividir lofts, falta de grana, viver de arte, vizinhos punks, homicídios e enfim, a loucura.


33. Unmade Beds (Amos Poe, 1976)
Do pai do cinema "No Wave" sai a versão punk de "Acossado" de Godard.

 34.  Anos de Rebeldia (Dennis Hopper, 1980)
O mais sincero conto sobre não sucumbir aos valores pré-estabelecidos pela sociedade americana.

 35. Docteur Chance (F.J Ossang, 1997)
No mercado negro de obras de arte está o campo perfeito para F.J Ossang mandar às favas linguagens e cartilhas cinematográficas para diagnosticar que o mundo precisa mesmo é de subversão. Joe Strummer no elenco. 

36. American Hardcore (Paul Rachman, 2006)
Documento definitivo sobre a cena hardcore americana nos anos 80. 

37. Intrépidos Punks (Francisco Guerrero, 1980)
Como confrontar a força policial. 

38. Geração Maldita (Gregg Araki, 1995)
Segundo filme da trilogia da juventude perdida. Road movie de aura noventista com sexo, violência e insanidade. 

39. What About Me (Rachel Amodeo, 1993)
Lisa Napolitano (vivida pela própria diretora Rachel Amodeo) vive perdida nas ruas de NY.  Nelas encontra algumas figuras como Dee Dee Ramone e Richard Hell. 

40. Guidable - A Verdadeira História dos Ratos de Porão (Marcelo Apezzato e Fernando Rick, 2009)
Hilário e essencial. 

41. Desperate Teenage Lovedolls (David Markey, 1984)
O segundo maior "foda-se" cinematográfico da história.
 
42. Sid & Nancy (Alex Cox, 1986)
Sid caminha em um aterro e vê crianças praticando break. É o fim do punk e o início de uma nova era. 

 43. Punk: The Early Years (aka Raw energy) (Não creditado, 1977)
Autoexplicativo.

44. Chelsea on the Rocks (Abel Ferrara, 2008)
Ferrara celebra  William S. Burroughs, Sid Vicious, Andy Warhol, Patti Smith, Dee Dee Ramone e outros nomes que viveram por algum tempo no Chelsea Hotel.


45. The Decline of Western Civilization (Penelope Spheeris, 1981)
O primeiro olhar para a cena de Los Angeles. Spheeris anos mais tarde dirigiu o "clássico" infantil Os Batutinhas.


46. Dudes (Penelope Spheeris, 1989)
Road movie transgressivo.

 47. God Save the King (Ulf Malmros, 2005)
Como se vender.

48. End of a Century - The Story of The Ramones (Jim Fields, 2003)
 Pop, punk, direita, esquerda, vícios, ódio e 1-2-3-4.

49. Botinada! - A Origem do Punk no Brasil (Gastão Moreira, 2006)
O paradeiro de seus inventores.

50.  The Warriors - Os Selvagens da Noite (Walter Hill, 1979)
Gangues, gangues e gangues.

Parte dois em breve.

Comentários

Postagens mais visitadas