GUERRA SEM CORTES


Já em seus minutos iniciais, Brian De Palma desmancha tudo que construiu em muitos anos dirigindo filmes. Declara que seu filme Guerra Sem Cortes não é para ser um produto emotivo hollywoodiano e sim, um retrato próximo do que se passa pelo Iraque, assunto já saturado pelo cinema desde os ataques de 11 de setembro e não poupa críticas para filmes que exploram a tragédia com a intenção de faturar nas bilheterias.

Da típica elegância dos outros filmes de Brian De Palma, vemos o diretor ir para outro extremo, escolhendo as câmeras digitais para guiarem os dias de angústia dos soldados e o uso de referências modernas como a internet para informações e protestos se proliferarem pela rede mundial de computadores.

Desse tédio e dos costumes americanos, vemos o crescimento de atitudes radicais dos soldados que já tem suas raízes fincadas na violência e como uma saída mais eficiente para momentos de paz. As necessidades dos soldados também em crescente urgência acabam em saídas chocantes, fora a cansativa relação entre eles e o gratuito ódio gerado contra os Iraquianos, que nada podem fazer numa situação que está totalmente dominada pelos americanos, que na verdade, nem sabem o que estão fazendo ali.

Já convictos da absolvição, o que resta a eles são os traumas e a luta pela justiça do próprio coração, pois a justiça sugerida por George W. Bush é feita com excelência. Brian De Palma consegue dominar seu filme, mesmo com um elenco perdido e a linguagem quase documental, que faz o filme perder forças a todo o momento, mesmo que essa aposta seja para fugir de um clichê do cinema americano.


Guerra sem Cortes (Redacted, EUA, 2007) de Brian De Palma

Comentários

  1. Vai completar 2 anos que quero ver esse filme, e nada!

    ResponderExcluir
  2. "Vai completar 2 anos que quero ver esse filme, e nada!" [2] Já saiu em DVD? Tenho um certo problema com esse tipo de produção, as últimas com tal tema foram bem fraquinhas, mas acho que o Brian De Palma não faria qualquer coisa…

    ResponderExcluir
  3. Tenho o DVD – oferta de um jornal – mas confesso que não gostei de todo aquele estilo meio documental. Um filme que me passou ao lado, sem dúvida…

    ResponderExcluir
  4. Que pouco caso não terem lançado até agora por aqui.Em face das reações inflamadas nos EUA, é de suspeitar que De Palma talvez tenha chegado um pouco mais próximo da realidade do que outros cineastas.Aguardo-o com ansiedade.

    ResponderExcluir
  5. Pois éé.. vai fazer 2 anos que tô pra ver Harry Potter 6.

    ResponderExcluir
  6. Oi Pedro! Acho que a da turma de italo-americanos de Hollywood, o Brian de Palma é o mais preguiçoso deles atualmente. O Scorsese ainda faz bons filmes e o Coppola produz uns filmes legais. Achei Redacted de uma palidez total… abs.

    ResponderExcluir
  7. Adoro esse filme !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas