O GOLPISTA DO ANO

 

As intenções duvidosas de Glen Ficarra e John Requa em O Golpista do Ano se formam num humor desgastado por filmes destinados aos jovens. O filme de Ficarra e Requa não se enquadra neste gênero, pois os objetivos são diferentes, mas a fórmula é caricata o bastante para surtir o mesmo efeito que os teenagers. A narrativa torna-se abstrata por não existir um norte para a trama. Apesar de não existir uma clara separação, é possível posicioná-las em três núcleos.

Traumatizado desde a infância, Steven Russel (Jim Carrey) procura sempre ter uma boa vida, até descobrir que ser desonesto pode render muitos cifrões a mais para o seu bolso. As reações são desencadeadas de maneira gratuita e sem a clareza necessária para saber o que e quem os diretores pretendem gozar. A homossexualidade aqui é instrumento de deboche e não um apoio para o desenvolvimento do filme. Por outro lado está Ewan McGregor que faz Phillip Morris, seu personagem, habitar longe da escada humorística e se aproximar de bom coadjuvante que muitas vezes sustenta as cenas comandadas por Ficarra e Requa, que formam o terceiro núcleo por incessantemente buscarem pleonasmos dentro do roteiro.

McGregor e Carrey estão em dois filmes diferentes. Não pela personalidade distinta dos personagens que poderia justificar tal afirmação, mas sim pelas motivações de cada um em cena. Carrey é aquele que estamos acostumados a ver: careteiro, exagerado. Ele dá vida a um estereotipo. McGregor parece imergido em Phillip Morris. O resultado é a falta de química entre os personagens que se conhecem dentro de um presídio.

O humor de O Golpista do Ano é justificado pela opção sexual de seus protagonistas e troca os pés pelas mãos; tudo é motivo para cair em escatologia, para falar de pênis ou brincar com formatos de objetos. Como disse anteriormente, um humor para jovens. A carência da desconstrução de personagens para dar algum sentido às intenções dos diretores é grande. Ela  abordaria um humor mais refinado e daria uma nova faceta ao filme, que no fim das contas parece gratuito, caricato e sem inspiração alguma, mesmo cheio de boas opções a seguir.

O Golpista do Ano (I Love You Phillip Morris, França/EUA, 2009) de Glenn Ficarra e John Requa

Comentários

  1. Eu sabia que esse filme iria ser "trash"!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu pensei que ia ser bonzinho. Com uma mudança no elenco, talvez o filme ia ser bem melhor, mas com Jim Carrey? Estão apelando cada vez mais, hein!

    ResponderExcluir
  3. Xi, não gosto de filmes apelativos assim!

    ResponderExcluir
  4. Por essa eu não esperava!

    ResponderExcluir
  5. Resumindo, um lixo!

    De fato o Jim Carrey e esse esteriótipo do engraçado, cansa!

    O que é um desperdício, pq ele fazendo drama, é bom.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas