UM SONHO POSSÍVEL

 

Baseado no livro homônimo de Michael Lewis que conta a história real de Michael Oher, famoso jogador da liga de futebol americano, Um Sonho Possível tenta resgatar valores familiares e costumes de um lar tipicamente protestante. Como conto moral, o filme é bem sucedido em sua proposta, que é a de criar uma história edificante, porém, em termos narrativos, o longa de John Lee Hancock é uma obra ordinária.

A opressão é o guia principal para sermos apresentados a Oher, vítima da falta de informação e de um lar destruído, logicamente oriundo do abandono do governo americano e que alimenta problemas infinitamente maiores que passam praticamente em branco pela lente de Hancock. Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock) e sua família surgem como uma oportunidade de viver uma nova realidade. Sem problemas para se adaptar, Oher vive o “sonho americano”, servindo como influência indireta para o resgate de valores perdidos pela família Tuohy. Na trama de Hancock, bem e mal não podem ser concomitantes. De um lado, está a vida perfeita, onde a grama verde reflete o bem estar vivido dentro das mansões do subúrbio americano. Na região periférica está a violência e o caos, sempre moldados por resoluções tão batidas que chegam a surpreender.

Hancock utiliza  mazelas da sociedade como assuntos para discussão apenas em momentos de passagem de atos; Conflitos não são gerados, nem mesmo em hipóteses mais óbvias, como o abismo social entre Oher e a família Tuohy ou surtos individualistas. Totalmente frouxa, a trama perde a força inicial por justamente criar um protagonista inerte a qualquer tipo de situação.
Em seu último ato, Hancock, faz uma bem sucedida metáfora à exposição e o tratamento dado aos pobres pelo governo norte-americano. Engraçado, pois o diretor cria algo que o filme necessitava por toda sua duração – Um motivo para sair da mesmice. Pena que era tarde demais para dar um novo rumo ao filme.

Um Sonho Possível  (The Blind Side, EUA, 2009) de John Lee Hancock

Comentários

  1. Ouvir dizer muito desse filme...Acho importante e até bom, quando uma trama tenta mostrar os dois lados da realidade, onde podemos ver que a sociedade esta totalmente dividida, e o único inatingivel é o governo, que sempre finge enxergar os problemas e os conflitos gerados por eles próprios!Mas mesmo assim, sempre existem aquelas pessoas que estão dispostas a resgatar e criar um novo rumo pra sua vida! Mas pela sua crítica, acho que deve ter deixado a desejar esse filme, pelo fato de não ter acontecido os conflitos, as discussões, mesmo quando havia necessidade ou talvéz até por vc ter dito que o diretor só saiu da mesmisse tarde demais! Mas como ainda não pude ver, vou assistir e tirar minhas próprias conclusões. Espero que seje bom =)

    ResponderExcluir
  2. É um bom filme que cumpre com seu papel, de entreter e tentar emocionar na grande maioria das cenas! a Bullock jamais merecia aquele OSCAR!

    ResponderExcluir
  3. Um site com características originais sempre conquista admiradores. Admiro seu site e ele é bom!

    ResponderExcluir
  4. adorei esse filme e muito bacana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas