A ORIGEM

a origem 

Uma pequena e óbvia analogia às possibilidades do cinema pode ser atrelada ao roteiro de A Origem. Afinal, só a sétima pode se assemelhar tanto aos sonhos. Só na tela de cinema podemos ver a materialização de um sonho em “tempo real”. Esta brecha é explorada minuciosamente por Christopher Nolan, um diretor que sempre foge de convencionalismos. O tempo, a imersão, a sensação de queda e o vespertino despertar são apenas algumas identificações que o diretor desenvolve com o espectador. Sabendo desse vasto leque de informações, Nolan dispensa a fragmentação da narrativa, mas não deixa de confundir, o que é de praxe em seus filmes.

E criar a equivalência entre a realidade e os sonhos é o tour de force do filme de Nolan. A impressionante plástica e ótimo timing para representar e desconstruir facetas distintas deste estado aumentam o impacto para configurar um filme de gênero. Envolve-se muito mais pelos aspectos citados que pela trama em si. A construção do thriller é igual a qualquer outro. Não estamos à frente de um filme de múltiplas saídas, como os de David Lynch, por exemplo.

A composição de personagens e seus conflitos são batidos e não condizem com toda originalidade do filme. Estão lá os conflitos amorosos e as mesmas motivações para os personagens se corromperem: ganância e incerteza. Fica evidente em certo momento que Nolan busca criar uma nova experiência ao espectador sem ultrapassar as fronteiras de seu conforto. Que não saia da passividade e resolva interagir com o filme. Em devidas proporções, A Origem se conclui sem fugir de um lugar comum no cinema contemporâneo.
A Origem (Inception, EUA/Inglaterra, 2010) de Christopher Nolan

Comentários

  1. Ótima resenha! Acredito que o que venha à valer no filme seja exatamente o que está por fora da história...as sensações que ele procura trazer. Mas veremos, quero ver o filme antes. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Não é meu tipo preferido de filme mas eu quero ver mesmo assim. Não tem estreado nada grande e BOM.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Pedro!

    Bom, eu discordo um pouco de você e entendo o seu texto. Não acho que os dramas são realmente batidos. Na realidade, eles podem até ser mas não foram jogados apenas para dizer que o Cobb é um personagem complexo. Os dramas dele possuem uma grande interferência na trama e isso está lá durante todo o filme. Nolan consegue equilibrar o fato de ter vários sonhos dentro de um sonho somente, criando uma história orgânica e que funciona como ação, suspense, ficção científica e também como um drama.

    Acho interessante a sua visão, mas acredito que "A Origem" é uma experiência cinematográfica ousada em muitos sentidos.

    Abraçoos, cara!

    ResponderExcluir
  4. Pedro,

    Acho que eu também pediria por uma outra conclusão. Porque o final ele apela para aquela coisa feliz ao invés do trágico. Eu acho que ele também poderia sair do "lugar-comum" nesse sentido.

    Eu só não aceito alguns críticos comparando o Nolan ao Kubrick, ao Coppola e a outros diretores clássicos. Vamos com calma, muita calma ahhaah Nolan é um grande diretor, mas o pessoal não precisa engrandecê-lo tanto assim haahha

    Abração, cara!

    ResponderExcluir
  5. minhas expectativas para o filme estão altas, irei conferir ainda.

    ResponderExcluir
  6. faço minhas as palavras do Cleber,minhas expectativas estão altíssima.abraços

    ResponderExcluir
  7. Concordo contigo, Pedro.

    O filme me impressionou mais pelos contextos e simbolismo desenvolvido quanto ao 'sonho'...mas, há motivações que, para mim, não trouxe nada de inovador...meio cliche, sera?

    abs

    ResponderExcluir
  8. Ummm... discordo que os conflitos são batidos. Alias, ganância? Fator que não possui importância para a narrativa. O âmago ali é o romance fortíssimo - e neste sentido achei os personagens muito bem construídos e contemplados.

    E acho que houve uma imensa interatividade. Aquele clímax de mais de uma hora, por exemplo, é de uma condução exigente e esforçada por parte não só do diretor, mas do editor - e o esforço é perceptível.

    ResponderExcluir
  9. Acho que justifica o enredo do filme, mas a obra é sobre muito mais que isso. É aí que tá o valor do roteiro, desenvolver emoções paralelas que ao fim se convergem em pura poesia. Bem, minha opinião, rs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas