X-MEN: PRIMEIRA CLASSE


Escalado para retomar a franquia X-Men, Matthew Vaughn (Kick-Ass – Quebrando Tudo) contou com a ajuda de quem entende do assunto para criar uma obra que liberte os mutantes do peso de dois fiascos cinematográficos seguidos: Bryan Singer (diretor dos dois primeiros  e melhores filmes da saga) e Sheldon Turner utilizaram as mesmas articulações usadas nos gibis para compor a história – posteriormente lapidada pelo próprio Vaughn e sua equipe –, que segue convenções imagéticas contrárias à proposta do texto.

X-Men: Primeira Classe esquiva-se de planos fechados e do clima soturno comuns nas HQ’s para seguir o tom de uma aventura épica. Vaughn trata de apresentar aceleradamente os conflitos e elaborá-los durante a narrativa, pontuada por ligeiras cenas de ação e o desemboco no clímax bem estruturado e representativo para quem conhece a história dos mutantes - apesar do filme quebrar a cronologia original das HQ's. Todos os personagens, com exceção de Xavier (James McAvoy), se mostram afetados pela posição da sociedade à mutação genética. A abordagem deste conflito geral é “profunda” como um pires; perde-se a oportunidade de se debater assuntos políticos de forma mais intensa e implícita do que a problemática utilizada no roteiro – guerra nuclear, o mundo em perigo, enfim...o de sempre.

A guerra fria rege o filme e costura muito bem a esfera fantástica exigida, mas não se equivale à importância dada à reintrodução e figuração dos personagens, resultando em uma unidade mais espetaculosa e menos engajada ao próprio roteiro. Por outro lado, Vaughn tem um elenco e tanto a seu favor, potencializando e muito os fios narrativos, livrando X-Men: Primeira Classe de cair na pieguice.


X-Men: Primeira Classe (X-Men: First Class, EUA,2011) de Matthew Vaughn

Comentários

  1. Concordo muito com você. X-Men:First Class é um ótimo filme. Com certeza um dos melhores que eu já vi esse ano.
    A forma como a história do Erick (Magneto) foi mostrada tão bem, de uma forma tão perto de quem tava assistindo que eu realmente não sabia pro que torcer na cena final!
    Aliás, o filme todo parece ter o clima de conflito e dualidade da Guerra Fria, né? Dá pra entender se você olhar qnd os quadrinhos foram lançados.

    ResponderExcluir
  2. Raphael Travassos2 de junho de 2013 18:21

    Desculpa, mas vou discordar. "X-Men", pelo menos os filmes, não foram concebidos como "thrillers políticos". É uma aventura de ação, épica em sua concepção e realização, e ,como tal, cumpre muito bem o seu propósito. Se eu quiser ver alguma divagação política, eu vejo os filmes de Elio Petri ou do Costa-Gavras. Algum Bernardo Bertolucci, talvez. O filme é ótimo. 9/10.

    ResponderExcluir
  3. Achei que algumas questões foram tratadas muito rápido, ou nem isso, o que alguns talvez chamarão de narrativa ágil — mas que eu diria ser, assim como você comenta, uma superficialização dos temas. Ainda assim, tem algumas boas cenas de ação, um trilha envolvente e dinâmica e, mais importante, ótimos atores interpretando excelentes personagens — McAvoy e Fassbender, especialmente, que entregam os melhores momentos do filme. Também não achei a maravilha que alguns apontaram (continuo achando X-MEN 2 o melhor da série), mas é um ótimo filme. 8/10

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas