VEJO VOCÊ NO PRÓXIMO VERÃO


O dito cinema independente americano, agora dono de um modelo de fácil identificação e reformulação para o mainstream, ainda suspira dentro de pequenas variações. Vejo Você no Próximo Verão, debut diretorial de Philip Seymour Hofman adota o subgênero para narrar a história de Jack (Hofman), motorista de limousines  que se prepara durante o outono para um encontro no verão com Connie (Amy Ryan).

Como a cartilha pede, os personagens – ambos integrantes da chamada  classe trabalhadora de Nova Iorque - são cercados pela derrota, dominados pelo pessimismo e reféns da passividade; o raciocínio é para realçar a idéia do fracasso de relações conjugais através do tempo. Hofman economiza na análise dos personagens e parte para ação; motivados pelo abstrato bem-estar, eles viram uma representação sociológica na busca do imediatismo. Pela silenciosa obsessão por atividades físicas ou pelo uso de drogas.

Com um roteiro irregular - escrito por Robert Glaudini, também roteirista da peça em que o longa é baseado -  Vejo Você no Próximo Verão tem seus momentos, principalmente quando resolve ironizar a previsibilidade do gênero. O encontro – a priori o foco da história -, aos poucos dá lugar à crise do casal coadjuvante, construindo sequências intensas e igualmente surreais, onde a música é fonte da força narrativa. Lamenta-se que esses momentos aconteçam apenas no último ato, e que todo seu resto seja apenas desgastado com o conto da expectativa para um encontro adaptado para um formato saturado.


Vejo Você No Próximo Verão (Jack Goes Boating, EUA, 2010) de Philip Seymour Hofman

Comentários

Postagens mais visitadas