CURVAS DA VIDA


Em uma de suas entrevistas emblemáticas ao The Guardian, Clint Eastwood condena o cinema feito nos EUA, feito para domesticar o público e que os coloca em zona de conforto. O famoso escapismo, para ser mais claro. Curiosamente, Curvas da Vida, filme dirigido por Robert Lorenz (escudeiro e produtor de diversos filmes recentes de Eastwood) segue tal cartilha. O drama, pautado no amor, seja por algo ou alguém, é o epitome da narrativa clássica desenhada por clichês técnicos assustadores.

O pulmão do filme está na química entre Gus (Eastwood), Mickey (Amy Adams) e Johnny (Justin Timberlake), que tem o conhecimento por baseball em comum. Quando o tema está em evidencia, o filme flui com bons diálogos e saídas certeiras, porém, quando o melodrama é moldado, tudo parece sair de controle. Fora o saturado método para exibir o conflito entre pai e filha, ambos traumatizados pelo passado, Curvas da Vida escolhe jogos de cenas sofríveis, hoje provavelmente usados em novelas ou seriados, onde a urgência está até no roteiro e não há tempo para o novo.

Lorenz, em momentos pontuais, homenageia a persona que catapultou Eastwood para a representação do macho. Referências a Dirty Harry e O Homem Sem Nome são perceptíveis e de bom diálogo com o restante da trama, mas em momento algum sustenta a falta de criatividade de Robert Lorenz. Afinal, o “tropeço” que Gus leva na primeira sequência do filme representa a fraqueza do filme: mal dirigido, afobado e, claro, “domesticado”.

Curvas da Vida (Trouble With The Curve, EUA, 2012) de Robert Lorenz

Comentários

  1. Soa como puro feijão-com-arroz sentimental. ALiás, o próprio pôster puegas já adianta isso. Passo longe, e olhe que gosto de Clint e Amy.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas