MARADONA


 O diretor sérvio Emir Kusturica acerta quando escolhe estudar o lado mais obscuro do maior ídolo argentino, o ex-jogador Diego Armando Maradona. Quando digo “obscuro”, não me refiro aos escândalos envolvendo os vícios e brigas do ex-jogador, mas por tocar em assuntos esquecidos pela mídia e fazer o jogador refletir sobre sua vida numa espécie de análise itinerante.

Seria óbvio demais – mas não menos interessante – fazer um documentário contando a história do jogador com intuito de colocá-lo em uma posição que ele nunca saiu: a de herói. Kusturica compara sua carreira de diretor e métodos de filmagens com o comportamento de Maradona. Seja pelas inseguranças e os prós e contras de ser um documentarista ou através de metáforas, o diretor mostra suas identificações com o seu personagem principal. Segundo o diretor, se Dieguito não fosse um craque dos gramados, seria um grande revolucionário. A sede de justiça e senso político do ex-jogador parece ser o novo guia de sua vida. Ele afirma que pequenos países podem se vingar de tantas injustiças através dos esportes e lembra a incrível vitória da Argentina contra a Inglaterra durante a copa do mundo de 1986, que serve como alvo para Kusturica abrir diversos assuntos sobre a vida do jogador e suas reflexões.

Pela voz-off, Kusturica conta suas conclusões sobre esta figura peculiar que até uma igreja ganhou. O casamento pela igreja “Maradoniana” é surreal. Mesmo com esta forma interessante, o filme dá alguns tropeços por largar cenas avulsas, sem um norte para o público ter como guia, nem posição emocional, nada. As cansativas inserções de animação de Maradona fazendo justiça com os próprios pés também tiram o bom ritmo do filme, que busca apenas mostrar como Maradona é, sem procurar respostas e muito menos motivos para atitudes e escolhas do jogador. Maradona abaixa sua faixa de ídolo para mostrar que é feito de carne e osso, que tem fraquezas e que também erra por escolha própria, sem sensacionalismos maiores.

 
Maradona (Maradona by Kusturica, Espanha/França, 2008) de Emir Kusturica

Comentários

  1. Li que é bem politizado mesmo, interessante. Não é a toa que ninguém que fazer filmes sobre o Pelé. haha

    ResponderExcluir
  2. Fiquei muito curioso, vou procurar este documentário.

    Até mais

    ResponderExcluir
  3. Confesso que sustento grandes expectativas com relação ao diretor do notável "Quando papai saiu em viagem de negócios", e não devo ser a única.

    ResponderExcluir
  4. O filme parece trazer um ponto de vista interessante sobre o ídolo, mas me pareceu em seu post, que mesmo evitando colocar Maradona nessa posição, o diretor Emir Kusturica manda o recado de que o cara estava fadado ao estrelato, seja no futebol ou na política, ou seja, de um jeito ou de outro continua a colocar a figura de Maradona como herói.

    ResponderExcluir
  5. Filme interessantíssimo. Onde se pode encontrar o DVD pois quero presentear um amigo?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas