OS INQUILINOS


Sérgio Bianchi: ame ou odeie. Os últimos filmes do diretor Cronicamente Inviável e Quanto Vale ou é Por Quilo? vinham com além de ácidas críticas ao caminho que o país toma pela necessidade de se manter vivo  doses cavalares de pessimismo. Os Inquilinos, adaptação do conto homônimo de Vagner Ferrer, o novo longa de Bianchi não muda essa forma. Afinal, ainda não existe motivo para que o diretor pense diferente. O filme conta a história de Valter, um homem que levanta cedo, trabalha e vai para a escola à noite, pois não teve chances de terminar os estudos quando era jovem. É casado, pai de dois filhos e agora se vê obrigado a preservar a vida de sua família através da política da boa vizinhança, ou para ser mais claro submisso a ordens do crime. Quando chega em casa, atura reclamações da esposa que, refém do ócio, nada faz além de espionar a vida dos tais “inquilinos”.

Bianchi acerta, pois se concentra numa história “de comunidade”, mas as questões são existenciais e não sociais, logicamente elas se embaralham, pois aqui, Valter recebe os novos vizinhos, três homens de índole suspeita, e a cada novo dia, existe um novo motivo para a convivência virar uma guerra. O barulho é alto, a linguagem dos vizinhos é chula e o abuso cresce junto com  o número de horas mal dormidas pela família e a necessidade de resolver este problema. Bianchi ao invés de se focalizar numa história que seria óbvia para usar a violência sob uma carga dramática para mais um debate sobre o assunto, prefere estudar o que leva uma situação como essa acontecer e suas conseqüências dentro desta comunidade.

A liberdade das crianças é amputada pela tensão nas ruas. A confiança dos moradores é comprada, através de agrados a mando dos “chefes”. Essa prostituição vem da óbvia relação de interesses mútuos. Logicamente essa confiança leva a outros fatores como o silêncio e obrigações sociais. Enquanto José Luiz Datena anuncia mais um estupro seguido de morte, o filme para de lamentar na cena seguinte para mostrar um forte motivo para isto ter acontecido. Querendo ou não, é uma indústria que se forma. “Você incentiva dali, que eu lamento daqui”. Cabe a sociedade lutar contra. Mas, quem é sociedade? Quem é bandido? Enfim, questões que Bianchi coloca sob sua característica aura pessimista e resume seu longa numa cena dentro de uma sala de aula, onde os alunos viram mocinhos, bandidos e reféns.

Um filme como Os Inquilinos merece ganhar atenção por não discutir a conseqüência e sim a causa e bater de frente com tabus – provavelmente por motivos comerciais – do cinema nacional, mesmo sem inovações maiores em comparação a outros filmes do diretor.

Os Inquilinos (Idem, Brasil, 2009) de Sérgio Bianchi

Comentários

  1. Gostei bastante de "Quanto vale ou é por quilo?". Agora esse novo trabalho de Sérgio Bianchi parece ser ainda mais instigantes… Mais uma que fico na expectativa para a Mostra SP.

    ResponderExcluir
  2. Belo texto.

    Acabei de voltar da "estréia" do filme na mostra, escreverei sobre o mesmo, mas concordo em gênero e grau com o que disse, apesar que talvez seja interessante ressaltar o uso de outros elementos de certa forma "novos" nos filmes de Bianchi como as imagens mais lúdicas(sonho sobre o cachorro,a mulher, etc,)-digo pela ótima forma como as usou- que inclusive me remetem um pouco ao Anticristo, o que acha?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. belo filme mas é somente mais um filme sobre a periferia. fica claro a visão estereotipada sobre a violência e os pobres, a polícia corrupta, a ausencia do estado, etc...etc...nada de novo na vida e nem no cinema...o que não tira a qualidade do trabalho dos atores, equipe técnica e diretor...mas saí sentindo falta de muito do que se faz causa a todos os problemas ali presentes, realmente fica claro o pessiminismo e a leitura já amarelada sobre a realidade...

    ResponderExcluir
  4. Desculpa, Charles, vou discordar em gênero, número e grau. Há muito tempo o cinema brasileiro não mostrava uma perifferia longe dos estereótipos. E isso é reforçado pela densidade do protagonista. Aliás, a cena da sala de aula é a chave de todo o filme. Gol certeiro do Biancchi.

    ResponderExcluir
  5. Onde foram feitas as locações desse filme? Alquém sabe?

    ResponderExcluir
  6. jardim vista alegre,jardim eliza maria e jardim parana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas