FESTIVAL DO RiO - PARTE 4

The-Invention-of-Flesh1
 A INVENÇÃO DA CARNE (La Invencion de la Carne, Argentina, 2009) de Santiago Loza 

O corpo como templo. Receptor de reflexos passionais. Uma conclusão tão óbvia vem em A Invenção da Carne, filme de Santiago Loza. Acompanhamos dois profissionais que mantém relações diretas com corpos para sobreviver: uma prostituta e um médico. Quando se encontram, silenciosamente partem para uma espécie de odisséia interior, de descobrimento. O grande problema é a redundância que Santiago Loza expõe com o tempo. Sua mensagem é passada logo nos primeiros minutos de filme e de resto, vemos um diretor desesperado para achar um sentido plausível para continuar sua narrativa, repetindo o mesmo raciocínio de formas diferentes. O médico com síndromes. A prostituta carente. Chega a ser ordinário. Até o epílogo, acompanhar os personagens, sempre em estado de ebulição emocional, é um sofrimento. Nos minutos finais, há um pequeno desdobramento, que dá uma nova visão (e respiro) ao filme, mas não foge da impressão de improviso que ele traz. Pode casar bem com a estética artesanal do filme, guiado por sequências com câmera na mão, mas não convence ao já cansado espectador.

 
TERÇA-FEIRA, DEPOIS DO NATAL (Marti, Dupa Craciun, Romênia, 2010) de Radu Muntean
 
O diretor romeno Radu Muntean analisa friamente uma relação desgastada em Terça-Feira, Depois do Natal e entrega uma obra sem forças por seguir uma cartilha ordinária neste segmento: personagens pálidos ao seu extremo onde o grande conflito é construído por raros momentos de espontaneidade. O choque vem quando eles resolvem atravessar o óbvio e se tornam vulneráveis. As grandes referências da obra de Muntean são filmes franceses contemporâneos, onde diálogos compõem apenas uma situação e não o interior dos personagens. Terça-Feira, Depois do Natal se constitui no silêncio de Paul, homem que é casado com Adriana há dez anos e tem Raluca como amante, até que um inesperado encontro acontece. Causa e conseqüência estão expostas muito antes de se materializar na tela e sem tanta relevância moral. A proposta é analisar o descaso que todos alimentam um pelo outro, apesar da aparente fraternidade. Vira um caso da latente e contemporânea necessidade afetiva. Infelizmente, Muntean expõe sua história com frieza e distância necessárias para não envolver o espectador.

kongavegur7 
KING'S ROAD (Kóngavegur, Islândia, 2010) de Valdis Óskarsdóttir

Uma rica analogia política, social e comportamental de um país severamente atingido pela crise econômica mundial. Valdis Óskarsdóttir representa a Islândia em um conjunto de trailers, onde seus habitantes alimentam hábitos estranhíssimos e dividem da mesma situação financeira.E assim são construídas situações absurdas, com a novidade da excentricidade humorística de um povo tão introspectivo como o islandês. As consequências da crise são justificadas pelo riso. São nichos de personagens, representados por um trailers e formas diferentes de reagir à situação. Em comum, a urgência de um novo começo.King’s Road tem seu lado engajado e até contemplativo, mas não dura muito tempo neste exercício. Logo seus personagens voltam a inventar. Inventam um emprego, um passatempo, sonhos e até inventam vida, representada ambiguamente por uma foca morta. Sobre eles, a imposição do característico céu cinza da região que só reforça o tom melancólico deste estilo de vida. Óskarsdóttir nos faz rir, mas ele tem total ciência da gravidade deste retrato para o resto do mundo, como mostra no desfecho de seu filme.
 

Comentários

  1. Obrigada pela cobertura! Gostaria de saber sobre os textos...onde você consegue essas idéias?

    ResponderExcluir
  2. Revisitei "Terça"...e gostei muito!

    ResponderExcluir
  3. Eu precisava saber disso mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas