COMO ESQUECER


Aparentemente a intenção maior de Como Esquecer é de destroçar um estado de espírito. Um momento confortável (sim, confortável) de autodestruição e tristeza, solitário e também egoísta. Personificado em Júlia, mulher recém separada de Antônia, que numa sábia escolha não aparece em momento algum do filme, mas é representada pelos diálogos que também traçam o estudo deste um estado emocional.

O confronto contra a sabotagem inconsciente vem através de Hugo, amigo que coloca Júlia de frente à outra realidade, como um dedo na ferida. Mas Como Esquecer não é um filme que vai direto ao ponto, que mergulha nessa catarse. O filme é cheio de arestas, deveras romanceado com reflexões existenciais interessantes, mas colocadas de formas erradas, exageradamente melodramáticas. Elas são batidas dentro do formato do filme e não se encaixam com os diálogos previsíveis.

Sem uma moral imposta, o filme de Malu de Martino tem a sobriedade de dizer que todos são vulneráveis a esta situação sem ser tão óbvio, mas não se atreve a estudar extremidades pelas ações e compra apenas a representação superficial, negando a pungência que tanto cita em sua duração.

 
Como Esquecer (Idem, Brasil, 2010) de Malu de Martino 

Comentários

  1. Desculpe-me mas não concordo com a crítica .Achei o filme competente, Ana Paula Arósio e Murilo Rosa interpretaram brilhantemente seus personagens, e os diálogos se encaixam perfeitamente em cada cena. Cito como exemplo, (spoiller), o momento em que Júlia esta sentada sozinha na chuva e logo em seguida vem uma frase sobre não depender do outro para viver.
    É um filme lindo, sensível, e que mostra de forma bastante expressiva que perder o ser amado pode sim ser uma das piores coisas da vida.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia este filme, gostei da dica.

    Até mais

    ResponderExcluir
  3. Tem visto muitos filmes brasileiros, né?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas