THE RUNAWAYS - GAROTAS DO ROCK


Fiel à sua época, com som alto e vibrante e com tendências psicodélicas em sua fotografia, a cinebiografia das Runaways parece ter potencial para passar da barreira do entretenimento e servir como um parâmetro histórico quando o assunto é música. Afinal, Joan Jett e suas comparsas tiveram valor inegável para o rock. Por vezes, Floria Sigismondi chega perto. Ela aborda o macete mais antigo do cinema quando falamos do prazer imagético. A manipulação da diretora através de imagem e som é terrível, cheia de clichês e ao mesmo tempo, deliciosa.

Toda fidelidade focada na narrativa acaba indo para o ralo ao criar tendenciosos nuances melodramáticos. Parece que as meninas um dia se reuniram num trailer e de lá, explodiram em questão de segundos, com milhares de hits prontos e problemas inatingíveis para as integrantes, exceto as drogas, é claro. Em The Runaways – Garotas do Rock, as pequenas idéias conflituosas são ocas e ligeiras.

A montagem dinâmica afasta esta problemática do roteiro e dá forças ao filme, que assim faz o seu dever de correr contra o tempo com tantos personagens e tantos fatos para moldurar a história do grupo. Mas parece que Sigismondi carrega a obrigação de agradar um público que não sabe quem foram as Runaways. Um público que busca apenas escapismo e não reviver um tempo ou até mesmo, conhecer o grupo.

 
The Runaways – Garotas do Rock (The Runaways, EUA, 2010) de Floria Sigismondi 

Comentários

  1. Em quais cinemas de são paulo está em cartaz??

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas