A VIDA DURANTE A GUERRA


Todd Solondz revisita em A Vida Durante a Guerra os personagens do sincero e inesquecível Felicidade, filme que o consagrou em 1998 sob o mesmo olhar crítico de antes, usufruindo de um momento delicado para a sociedade americana, cercada de síndromes e paranóias.

Repete-se a fórmula com adaptações pertinentes à atualidade; diálogos fortes e calçados no humor negro para novamente mostrar um país debilitado atrás de uma casca perfeita representada por um jardim bonito e casas exuberantes.

Com propriedade, Solondz aborda uma nova idéia sobre a guerra com o tradicional incômodo que seu cinema traz. A Vida Durante a Guerra poderia ser um filme de força diluída na falta de originalidade tanto no argumento quanto na fórmula, justamente onde vive o grande mérito de Felicidade, mas a adaptação para o tempo pós-onze de setembro parece trivial onde pouquíssimos realizadores se esquivam de um discurso apaziguador, que alimenta o sonho da paz, enquanto a guerra continua dentro das mentes de uma nação doente.

A Vida Durante a Guerra (Life During Wartime, EUA, 2009) de Todd Solondz

Comentários

  1. Acho interessante a analogia da fala nós vivemos em tempos de guerra não somente referente ao mundo, mas de certa forma uma guerra com nós mesmos e na convivência com outras pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Postei um comentário no facebook sobre o filme. Faço uma “analogia” ao “A Vida Durante a Guerra”, quando escrevo ‘A Guerra Durante a Vida’. A vida onde possuimos nossas feridas internalizadas. O filme aborda a questão do perdão para tentar esquecer, se redimir do passado. Resta saber se o perdão assombra os fantasmas…

    Pedro, seu comentário está perfeito.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Se nesse filme Solondz repete suas próprias fórmulas de uma obra anterior, talvez não seja uma má oportunidade de primeiro contato com a sensibilidade dele. Nunca vi nenhum filme do diretor.

    ResponderExcluir
  4. Ano passado vi toda a filmografia de Todd Solondz e apreciei muito o seu trabalho. Quero muito assistir a este seu novo filme. Ele é mesmo uma sequência de “Felicidade”, desenvolvendo os mesmos personagens?

    ResponderExcluir
  5. ótima informação sobre o filme

    ResponderExcluir
  6. Minha filha adora o Todd Solondz!

    ResponderExcluir
  7. Pedro Henrique Gomes3 de junho de 2013 08:12

    Filmaço! Só confirma a tendência de que o independente norte-americano é muito mais interessante que o mainstream.

    ResponderExcluir
  8. O Todd Solondz é um diretor meio complicado pra mim. Mas, tenho sempre curiosidades para assistir às obras dele.

    ResponderExcluir
  9. Preciso descobrir a filmografia de Todd Solondz.

    ResponderExcluir
  10. Gostei do post. Estou bem curiosa para ver esse filme!

    ResponderExcluir
  11. Como dá para perceber em meu comentário anterior, temi este filme por ele ser uma sequência de "Felicidade" (pouco convencional, é verdade), mas adorei o resultado. A mudança geral do elenco foi muito boa, o desempenho de Ciarán Hinds é incrível. Também achei o roteiro forte, bem forte.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas