O CAVALO DE TURIM





“Em Turim, em 3 de janeiro de 1889, Friedrich Nietzsche sai do imóvel da Via Carlo Albert, número 6. Não muito longe dali, o condutor de uma carruagem de aluguel está tendo problemas com um cavalo teimoso. O cavalo se recusa a sair do lugar, o que faz com o que o condutor, apressado, perca a paciência e comece a chicoteá-lo. Nietzsche aparece no meio da multidão e põe fim à cena brutal, abraçando o pescoço do animal, em prantos. De volta à sua casa, Nietzsche então permanece imóvel e em silêncio durante dois dias estendido em um sofá, até que pronuncia as definitivas palavras finais: “Mãe, eu sou um idiota”. E vive por mais dez anos, mudo e demente, sendo cuidado por sua mãe e suas irmãs. Não se sabe que fim levou o cavalo”.

O Cavalo de Turim prossegue tal introdução, descrevendo os dias do condutor, sua filha (Erika Bók, a mesma do emblemático Satantango) e o cavalo sob todas as características que deram a alcunha de film fighter a Bela Tarr: densidade imagética e sonora, longos planos e poucos diálogos. O longa abre um leque de possibilidades imenso envolvendo maldições espirituais, síndromes usando o animal como catalisador. Nietzsche e o condutor da carroça, são, também, vítimas da inércia, supostamente oriunda do quadrúpede.

A escassez de diálogos dentro da esmiuçada rotina reflete o contexto da época retratada. A personagem de Bók, catalisadora da força espiritual que o cavalo rege – debilitado e entregue à morte dentro do celeiro, mas representado por uma ventania infinita que espalha o terror psicológico pela casa – torna-se babá de seu pai, tão imóvel quanto Nietzsche. A visão de Tarr sobre a humanidade é pessimista a ponto de declarar que a história profetizada por Deus foi alterada e que não haverá descanso para os mortais.

E sob  lenta entrega de forças através de árduo exercício contemplativo, enriquecido pela plástica, pungente por seu conteúdo e denso e soturno em analogias, O Cavalo de Turim é tão intenso que nos leva para análises que fogem a história, assim como o diretor faz por diversas vezes durante o filme.

★★★★★
O Cavalo de Turim (A Torinoi Ló, Hungria/França/Alemanha/Suíça/EUA, 2011) de  Béla Tarr

Comentários

  1. Uma obra de arte! Na verdade uma divagação profunda sobre o tempo. O ano é 1889, portanto há puco mais de cem anos. A entrega do tempo que nos é dado em comparação à humanidade daquela época nos parece ser de uma quantidade menor. Apesar de todo o conforto que nossa tecnologia proporciona, nenhum tempo nos é dado para reflexão. O cotidiano daquelas pessoas tão cheio de obrigações para simplesmente existir em contraste com todos os recusros que temos hoje – e ainda não nos sobra nenhum tempo!

    ResponderExcluir
  2. Um filme brilhante, com atores que conseguem mostrar quase sem palavras o cotidiano sofrido em um lugar onde não existe sequer pessoas para compartilhar os sentimentos. A dedicação da filha com o pai é quase uma dádiva natural. Nos faz refletir muito em relação ao nosso comportamento com nossos pais, com nossos amigos. Um filme para aqueles que valorizam sentimentos. Muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Este filme é simplesmente brilhante! O silêncio e as imagens de Tarr são de tirar o fôlego!

    bickleblainebooth.wordpress.om

    ResponderExcluir
  4. Não está no circuito e não consigobaixar o filme. ma lástima!

    ResponderExcluir
  5. Quem quiser baixar esse filme é só copiar esse link e colar na barra de endereços.
    http://topcine.net/o-cavalo-de-turin-legendado

    ResponderExcluir
  6. Filme péssimo. Sem linha narrativa…repetitivo…parece interminável… incomodativo… infelizmente não tenho capacidade para achar um filme desse como uma obra de arte… não perca seu tempo… tem a pretensão
    de fazer gerar uma consciência crítica…
    Se o desejado é valorizar a ausência de diálogos veja O artista que este sim é um filme lindo e
    com uma experiência transformadora…

    ResponderExcluir
  7. Realmente o filme nos faz voltar ao ano de 1889 e sentimos a experiencia de como o tempo e a vida eram diferentes naquela época para uma família simples. Reflexivo e profundo. Porém ,para quem busca apenas entretendimento, como diz o cinéfilo, é um filme chato.

    ResponderExcluir
  8. A meu ver o fime é muito bom, mas vai depender da capacidade critica de cada um!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas