UM MÉTODO PERIGOSO


Baseado no livro “Um Método Muito Perigoso” de John Keer, David Cronenberg usa Jung e Freud e seus princípios da psiquiatria para construir o processo da culpa em Um Método Perigoso. Jung (Michael Fassbender) atrela os conflitos naturais do ser humano à espiritualidade e aspectos oníricos; Freud (Viggo Mortensen) atrela a sexualidade como princípio para qualquer fraqueza. Como elo personificado, está Sabina Spielrein (Keira Knightley), paciente de Jung e aspirante a psiquiatra.

Cronenberg cria uma teia conflituosa para os dois; Jung utiliza a metodologia de Freud, este que está cada vez mais imerso em seu ego. Preso à dialética, Um Método Perigoso garante sua força por se ater a pertinência histórica – exceto a dispensável briga de egos que no último ato torna-se ferramenta fundamental para conclusão.

Apesar do desenho de complexidade conflituosa, o longa é simples e ambivalente – transparecido na objetividade do elenco.  Com Um Método Perigoso, Cronenberg, intencionado a narrar um momento histórico  preso à técnica universal e hollywoodiana, evita tropeços,  mas em contrapartida aproxima-se do que é ordinário dentro das linguagens do gênero.
★★★
Um Método Perigoso (A Dangerous Method, Canadá/Alemanha, 2011) de David Cronenberg

Comentários

  1. Pensei que seria preciso adentrar o universo desses dois grandes da área de Humanas, mas que nada, a conversa deles me soou até banal demais, ou seja, para um leigo como eu.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que os melhores momentos do filme estão nas conversas estimulantes entre os dois, mas no geral é uma experiência um tanto sem sal… nota 3/5 mais do que justa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas