ANISTIA


Por Anistia ouvem-se respirações ofegantes em todos os cantos; angústia, pressa e relações sexuais. O filme de Bujar Alimani luta para tornar palpável o espectro da não-presença na vida de Spetim e Elsa, que tem sua mulher e marido encarcerados, respectivamente.

O panorama político da Albânia persegue a narrativa apesar do esforço de Alimani para situar Anistia no antro da existência, longe de conseqüências de atos oriundos de um país em crise constante. O encontro é comum e sua a consumação é apenas questão de tempo – no meio desse turbilhão de desemprego, solidão e brigas familiares estão os filhos e o sogro de Elsa, dependentes dela de formas distintas – enquanto a ausência toma forma de um recomeço em vias dicotômicas. Spetim e Elsa miram o mesmo horizonte sobre a mesma pressão de relações fadadas ao fracasso.

O esforço de Alimani é claro: raras são as sequências que repetem o mesmo enquadramento ou movimento de câmera em seguida. A preferência pela expressão corporal aos diálogos é acertada, porém, seu tema é forçadamente levado à automática abordagem política, panfletária. Um tiro no pé tão grande quanto a sequência final do filme.

★★
Anistia (Amnistia, Albânia/Grécia/França, 2011) de Bujar Alimani

Comentários

Postagens mais visitadas