ÁGUAS TURVAS

aguasturvas
Quando um diretor de cinema levanta um debate e sugere o julgamento para o espectador, ele também lembra que seremos julgados. Erik Poppe faz com maestria um intenso jogo de amor e ódio em Águas Turvas.

Thomas viu um pequeno garoto morrer em sua frente. Foi preso por assassinato. Foi solto por bom comportamento e busca redenção tocando órgão em uma igreja. Poppe faz ai a primeira alusão a julgamento. Lá, Thomas conhece a pastora e seu filho Jens com quem cria laços de amizade. Thomas é constantemente atormentado pelos fantasmas do passado, sejam impostos ou por acaso. Sua reação é sempre morna e a suspeita é uma conseqüência para a platéia.

Aparentemente acompanharemos uma história linear de superação, mas a ditadura hollywoodiana nos educou de uma forma que Poppe contorna, nos situando dentro de outra esfera: A da mãe do menino assassinado. A partir daí a montagem é picotada de forma mais explicita, mas não menos genial. É importante ressaltar a importância desta mudança, pois os sentimentos vão se alternando conforme as sugestões do diretor. Agnes, vivida pela brilhante Trine Dyrholm vive uma mulher traumatizada e que não se importa em passar por cima dos outros para se sentir segura, algo que não acontece desde a morte de seu filho. Estepes são usadas, situações constrangedoras são criadas por ela, mas nada a tira a dor. Neste núcleo, a construção funciona de maneira mais intensa.

A igreja é o palco do encontro para um desenrolar incrivelmente denso. O espectador não sabe quem é vilão e quem é mocinho. Se deve julgar ou ser julgado, o que é certo ou o que é errado. Crie suas respostas após os créditos finais.

Águas Turvas (De Usynlige, Noruega, 2008) de Erik Poppe

Comentários

  1. parece ser excelente. não é o tipo de filme que passa nos cines da cidade onde moro. espero conferir em DVD.
    :)

    ResponderExcluir
  2. Putz que enredo intrigante… Tomara que venha pra Mostra SP!

    ResponderExcluir
  3. uvi falar desse filme e desde então fiquei bem animado para vê-lo. Sua resenha me animou, Pedro!

    ResponderExcluir
  4. Preciso conferir e já! Olha, Pedro, parabens pelo seu espaço aqui, viu? abraço

    ResponderExcluir
  5. Mas, como? É raro entrar num blog e ler sobre um cineasta e um filme totalmente desconhecidos pela pessoa. Vou ficar de olho nesse filme.

    ResponderExcluir
  6. Acabei de assistir esse filme. Sensacional, brilhante o roteiro, direção e a interpretação da Trine Dyrholm. Filme digno de oscar.

    ResponderExcluir
  7. Enviado em 12/06/2012 as 17:00

    o filme é fantástico

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas