Indie: TOKYO!




Luzes, barulho, carros e muita gente num mesmo lugar. Provavelmente é o que lembramos quando pensamos em Tóquio, mas os diretores Michel Gondry, Leos Carax e Boong Joon-Ho, divididos em três segmentos, preferem deixar as características do local em priori do subtexto neste tributo à cidade japonesa.

“Desenho de Interiores” de Michel Gondry mostra como é difícil viver da arte em qualquer lugar do mundo, principalmente numa cidade com uma urgência econômica tão grande como Tóquio, sem esquecer-se do “apertamento” onde os japoneses vivem e a questão óbvia de como ser notado num local tão lotadao sem deixar de ser “Gondry” por um segundo. Metáforas começam a pipocar a partir da segunda metade do filme de maneira genial, como uma forma de escape para uma vida morna, porém financeiramente estável.

“Merde” de Leos Carax usa a cidade como pano de fundo para mostrar que todo humano tem o seu lado irracional a flor da pele, basta uma ação para a reação aparecer nesta forma. Mas o foco maior da trama é a ácida crítica à forma como os Estados Unidos tratam seus imigrantes e a interminável paranóia após os ataques de 11/09. É hilária a maneira como Carax constrói estas críticas, sem medir palavras e ações, mas acaba fugindo da proposta inicial do filme.

Mas Boong Joon-Ho faz de “Shaking Tokyo” uma pequena pérola. O diretor levanta um sentimento comum de todos que vivem em grandes metrópoles: Estar sozinho no meio de uma multidão e o latente desejo de se isolar, o que o personagem (sem nome) deste  segmento faz por 10 anos para se refugiar do caos.  Joon-Ho insere uma história de amor para ressaltar a fuga, mas também lembra que não se vive sozinho, principalmente quando os terríveis terremotos assolam Tóquio.

A cidade ganha seu tributo de maneira incrível, principalmente por Joon-Ho e Gondry, que sem perder suas características de como se fazer cinema, não saem da proposta inicial do filme, algo que Carax parece ter esquecido, apesar de nos brindar com uma trama hilária.

Tokyo! (Idem, Japão/França/Alemanha/Coréia do Sul, 2008) de Michel Gondry, Leos Carax e Boong Joon-Ho

Comentários

  1. Pedro, em primeiro lugar, parabéns pelo novo layout, que está maravilhoso!!!!

    Em segundo lugat, nunca tinha ouvido falar nesse filme antes!!! Parece ser legal!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, prometeu e cumpriu! Que bela repaginada!

    Bem, quanto ao filme comentado, fui apresentado a ele por ti, agora.

    Cumps.

    ResponderExcluir
  3. Ah, parece tão interessante! Ainda mais pra mim, que amo Tokio!

    Você tem idéia de como eu poderia assistir fora Mostra?

    Procurei mas não consegui achar…

    Até mais

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas