Indie: CONFUSÕES EM FAMÍLIA



Discutir uma família disfuncional que se esconde atrás de um jardim bem cuidado, uma casa grande e um carro bonito não é uma grande novidade para o cinema americano, mas o diretor Raymond De Felitta coloca doses cavalares de humor sem um pessimismo habitual de filmes deste segmento, mas sem deixar o deboche de lado para pontuar a hipocrisia do american way of life em City Island.

Todos da família Rizzo guardam segredos que guiam suas vidas. A hora do almoço é a hora de escondê-las em forma de violência verbal ou deboche da vida alheia. Mas quando Tony aparece na casa através de um plano infalível do pai Vince Rizzo para consertar um erro do passado, o rapaz é usado como catalisador para esta tragédia anunciada em forma de familia expelir suas fraquezas. A partir daí o diretor questiona o que chamamos de instituição familiar e seus valores, proporcionando cenas memoráveis e hilárias, seguindo uma narrativa dinâmica para desvendar o segredo de cada um daquela casa.

City Island está longe da inovação; Faz o óbvio, que é criticar e passar a lição de moral básica, mas a estrutura oitentista de um texto logicamente contemporâneo talvez seja o grande trunfo do filme de Fellita. A larapia americana para manter a pose de quem está por cima, para poder dar ordens e não obedecer a ninguém, mesmo que na verdade esteja vivendo no esgoto, no lixo. Seja financeiramente, seja no ego ou por seguir escolhas completamente insanas para manter esta posição.

O alerta já foi feito antes por outros diretores como Todd Solondz ou Sam Mendes, agora Felitta entra para essa lista de quem leva a função social de criticar a sociedade americana de maneira ácida sem parecer gratuito  e levando a utilidade em seu propósito.

Confusões em Família (City Island, EUA, 2009) de Raymond De Felitta

Comentários

  1. Obrigado por me fazer ver mais um filme no Festival do Rio e ficar mais perdido e mais pobre. xD

    A sinopse havia me chamado atenção. Agora com seus comentários o jeito é tentar encaixá-lo na minha programação aqui.

    []s!

    ResponderExcluir
  2. Fernando Império25 de maio de 2013 11:40

    Conforme ia lendo o texto, imaginava a new Beaty American, mas aí, vc citou Sam Mendes e pronto, minha dúvida tinha sido solucionada, hehehe… Fiquei interessado, quero ver.

    ResponderExcluir
  3. Eu to adorando o especial que está fazendo de filmes indies. Estou conhecendo várias obras.

    E o site ta fantástico!

    ResponderExcluir
  4. Foi pra lista.

    (ficou legal o layout, hein?)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas